Olá Amigos(as),visitem minha página no Facebook e confira as Novidades!!!!!

G-SUITE:Veja mais detalhes aqui!!!!!

G Suite




Olá.

Agradecemos a análise do G Suite.

Aqui estão três motivos para testar esse recurso:

  1. Você pode receber e-mails personalizados e muito mais com o Gmail for business.
  2. Ele ajuda os funcionários a cumprirem suas tarefas e colaborarem de forma mais rápida e eficiente.
  3. Milhões de pequenas e grandes empresas já mudaram para o G Suite.

Conheça aqui o G Suite!!!!

O que é o G Suite?

O G Suite é um pacote de produtividade baseado na nuvem que ajuda as equipes a se comunicar, colaborar e realizar tarefas em qualquer lugar e de qualquer dispositivo. Ele é fácil de configurar, usar e gerenciar. Assim, sua empresa pode se concentrar no que realmente importa.

Milhões de empresas em todo o mundo contam com o G Suite para aproveitar recursos como e-mail profissional, armazenamento de arquivos, reuniões por vídeo, agendas on-line, edição de documentos e muito mais.

Assista ao vídeo ou saiba mais aqui.

Veja alguns destaques:

E-mail empresarial para seu domínio

Parecer profissional conta muito e isso significa se comunicar como você@suaempresa.com. Os recursos simples e eficazes do Gmail ajudam você a desenvolver sua marca e realizar ainda mais tarefas.

Acesse em qualquer local ou dispositivo

Verifique seu e-mail, compartilhe arquivos, edite documentos, realize reuniões por vídeo e muito mais, estando no trabalho, em casa ou viajando. Você continua o trabalho de onde parou em um computador, tablet ou smartphone.

Ferramentas de gerenciamento de nível empresarial

As configurações de administrador robustas oferecem controle total sobre usuários, dispositivos, segurança e muito mais. Seus dados estão sempre com você e eles permanecem com você caso queira mudar de solução.

Inicie uma avaliação gratuita

Procurando Diversão??????????

               Procurando Diversão?????????



Então encontrou o melhor local,
e a rede social mais badalada do momento!!!!

Não acredita?????
Então confira você mesmo(a)!!!!!!

Acesse agora mesmo!!!!!!

>>>>> http://www.sccliberal.com.br/Convite.aspx?cvt=496157

Boa diversão e com certeza vão gostar demais!!!!


quinta-feira, 5 de junho de 2014

Japão vê declínio recorde no número de recém-nascidos, diz pesquisa do governo

Bebê japonês (Foto: Aflo Images)O número de recém-nascidos no Japão caiu ao seu ritmo mais rápido, para uma queda recorde de 1.029.800 em 2013, mostraram dados do governo nesta quarta-feira (4), estimando taxas ainda mais pessimistas para o futuro.
De acordo com um relatório de pesquisa populacional, compilado pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, o número de óbitos foi menor do que o de nascimentos, chegando a uma estimativa aproximada de 238.632 no ano passado.
Enquanto isso, o total da taxa de fecundidade (número médio de filhos que uma mulher teria dentro do seu período fértil ao longo da vida), foi de 1,43, levemente acima que no ano anterior.
Entretanto, o ministério acredita que o aumento global na taxa de fertilidade esteja por traz do pequeno avanço do Japão na taxa de natalidade entre as mulheres na faixa etária dos 30 anos.
O ministério estima que o número de crianças no país reduza cada vez mais, uma vez o número de mulheres jovens, as consideradas em idades férteis e adequadas para gerar um filho, tem registrado declínio acelerado a cada ano.
 apão é o país mais seguro do mundo para os recém-nascidos, com a menor taxa de mortalidade neonatal, revela um estudo da revista britânica The Lancet em conjunto com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) .

Bebê japonês (Foto: Aflo Images)
O índice de mortalidade neonatal no japão é de 1,1 a cada mil nascimentos (Foto: Aflo Images)

Numa série especial sobre a mortalidade infantil, que reúne a contribuição de 54 especialistas de 28 instituições em 17 países, a revista científica afirma que o estudo apresenta o quadro mais claro de sempre sobre as hipóteses de sobrevivência de um recém-nascido e as medidas que devem ser tomadas para reduzir o índice de mortalidade infantil.
O estudo, que pesquisou 162 países, revela que o Japão é o país com a menor taxa de morte entre os recém-nascidos, com 1,1 a cada mil nascimentos. Em segundo lugar vem Singapura, seguida por Chipre, Estónia, Finlândia, Coreia do Sul, Suécia, Noruega, Portugal e Eslovénia.
No extremo oposto da lista surge Serra Leoa, com uma taxa de mortalidade neonatal de 49,5 em cada mil nascimentos.
O estudo denuncia que Suíça, Canadá e EUA são os países desenvolvidos que menos progressos têm feito para reduzir a mortalidade neonatal. Na Suíça, por exemplo, a redução da taxa de mortalidade foi de apenas 16% entre 1990 e 2012, ano em que ainda morriam 3,2 recém-nascidos por mil nascimentos. Isto, apesar de a redução da taxa de mortalidade nas crianças com um mês a cinco anos ser de 76%.
“Quase três milhões de crianças que morrem antes de completar um mês poderiam ser salvas em um ano se recebessem um atendimento de qualidade no momento do nascimento”, destaca o Unicef.
Estes recém-nascidos falecidos, que tendem a morrer nos locais mais pobres e desfavorecidos, representam 44% da mortalidade infantil de menores de cinco anos em 2012, o que representa uma proporção de mortes maior que a registrada em 1990, de 36%.
Se as pessoas mais pobres dos 51 países com maior carga de mortalidade de recém-nascidos recebessem os mesmos cuidados que as pessoas mais ricas se poderia chegar a salvar 600 mil vidas, o que representaria uma redução da mortalidade de 20% em nível mundial.
“Houve um grande progresso na redução de mortes de menores de cinco anos, mas o número dos recém-nascidos, os mais vulneráveis, continua sendo um problema”, destacou o chefe de Saúde do Unicef, Mickey Chopra.
O Unicef alertou que 2,9 milhões de crianças morrem a cada ano durante seus primeiros 28 dias de vida e outros 2,6 milhões nascem já mortos (dos quais 1,2 milhões morrem durante o parto).
As primeiras 24 horas após o nascimento são as mais perigosas para o bebê e a mãe, já que quase a metade das mortes de recém-nascidos e mães ocorrem nesse período, acrescentou o organismo.
Os países que mais progrediram na redução de mortes fomentaram medidas efetivas como a lactação materna, a reanimação de recém-nascidos, o prolongamento do contato do recém-nascidos com a pele da mãe para bebês prematuros e o tratamento e prevenção de infecções, segundo o Unicef.
Ruanda foi o único país da África Subsaariana que reduziu à metade o número de mortos recém-nascidos desde o ano 2000 enquanto outros países de baixa renda formaram parteiras e enfermeiras para que as famílias mais pobres também possam ser atendidas.
As zonas que contam com um maior índice de mortalidade infantil se encontram na região da Ásia meridional e África Subsaariana e os países mais castigados são Índia (779 mil mortes), Nigéria (267 mil) e Paquistão (202.400).
Segundo destacou o Unicef, nos países com maiores taxas de mortalidade infantil cada dólar investido na saúde do bebê ou na mãe representa um benefício social e econômico nove vezes maior que o investimento inicial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário