Olá Amigos(as),visitem minha página no Facebook e confira as Novidades!!!!!

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

MG, SP e GO lideram ranking de trabalho escravo no Brasil

De acordo com levantamento do MTE, foram realizadas 248 ações fiscais e o resgate de 1.590 trabalhadores em 2014

Minas Gerais lidera ranking de trabalhadores em condições análogas à escravidão
ARQUIVO – 24.5.2012
Minas Gerais lidera ranking de trabalhadores em condições análogas à escravidão
Minas Gerais, São Paulo e Goiás lideram o ranking de estados onde foram encontrados mais trabalhadores em condições análogas à escravidão no Brasil em 2014. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), divulgados nesta quarta-feira (28).
De acordo com o levantamento, o MTE realizou 248 ações fiscais e resgatou um total de 1.590 trabalhadores da situação análoga a de escravo, em 2014, em todo país.
Minas Gerais, Pará e São Paulo foram os estados em que mais ocorreram ações fiscais.
As ações fiscais em que mais ocorreram a identificação de trabalhadores em condição análoga à de escravo aconteceram em Macaé (RJ), no setor de construção civil, em que foram identificados 118 trabalhadores em condições análogas à de escravo; Sooretama (ES), em uma colheita de café onde foram indentificados 86 trabalhadores; e em Picos (PI), na coleta da palha da carnaúba, onde a fiscalização encontrou 61 trabalhadores.
Construção civil, agricultura e pecuária estão no topo da lista negra
Construção civil, agricultura, e pecuária foram as atividades nas quais houve o maior número de trabalhadores identificados.
Já as atividades com maior incidência de ações fiscais foram pecuária, construção civil e indústria madeireira.
O MTE também afirma que, de um total de 248 empregadores fiscalizados, em 129 não foram identificados nenhum tipo de trabalho em condições análogas às de escravo.
No meio urbano, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro lideram o ranking de estados com mais atuações fiscais do órgão - 59 ações foram realizadas do total de 248 ocorridas em 2014, e  24 destas produziram a identificação de 561 trabalhadores
Os números são decorrentes das ações de fiscalização das equipes do Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM), diretamente vinculadas à Detrae e também da atuação dos auditores fiscais do Trabalho lotados nas Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego (SRTE) em todo país. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário