Olá Amigos(as),visitem minha página no Facebook e confira as Novidades!!!!!

G-SUITE:Veja mais detalhes aqui!!!!!

G Suite




Olá.

Agradecemos a análise do G Suite.

Aqui estão três motivos para testar esse recurso:

  1. Você pode receber e-mails personalizados e muito mais com o Gmail for business.
  2. Ele ajuda os funcionários a cumprirem suas tarefas e colaborarem de forma mais rápida e eficiente.
  3. Milhões de pequenas e grandes empresas já mudaram para o G Suite.

Conheça aqui o G Suite!!!!

O que é o G Suite?

O G Suite é um pacote de produtividade baseado na nuvem que ajuda as equipes a se comunicar, colaborar e realizar tarefas em qualquer lugar e de qualquer dispositivo. Ele é fácil de configurar, usar e gerenciar. Assim, sua empresa pode se concentrar no que realmente importa.

Milhões de empresas em todo o mundo contam com o G Suite para aproveitar recursos como e-mail profissional, armazenamento de arquivos, reuniões por vídeo, agendas on-line, edição de documentos e muito mais.

Assista ao vídeo ou saiba mais aqui.

Veja alguns destaques:

E-mail empresarial para seu domínio

Parecer profissional conta muito e isso significa se comunicar como você@suaempresa.com. Os recursos simples e eficazes do Gmail ajudam você a desenvolver sua marca e realizar ainda mais tarefas.

Acesse em qualquer local ou dispositivo

Verifique seu e-mail, compartilhe arquivos, edite documentos, realize reuniões por vídeo e muito mais, estando no trabalho, em casa ou viajando. Você continua o trabalho de onde parou em um computador, tablet ou smartphone.

Ferramentas de gerenciamento de nível empresarial

As configurações de administrador robustas oferecem controle total sobre usuários, dispositivos, segurança e muito mais. Seus dados estão sempre com você e eles permanecem com você caso queira mudar de solução.

Inicie uma avaliação gratuita

Procurando Diversão??????????

               Procurando Diversão?????????



Então encontrou o melhor local,
e a rede social mais badalada do momento!!!!

Não acredita?????
Então confira você mesmo(a)!!!!!!

Acesse agora mesmo!!!!!!

>>>>> http://www.sccliberal.com.br/Convite.aspx?cvt=496157

Boa diversão e com certeza vão gostar demais!!!!


domingo, 7 de abril de 2013

Famílias que apostam na educação domiciliar enfrentam dificuldades legais

Comparada com a tradição dos Estados Unidos e de alguns países da Europa, a educação domiciliar ainda é tímida no Brasil. As famílias que apostam neste tipo de aprendizado -  em que  a criança estuda em casa e não na escola - enfrentam dificuldades pessoais e legais.
Por lei, os pais são obrigados a matricular seus filhos na rede regular de ensino a partir dos 4 anos de idade até a conclusão do ensino médio. Aqueles que não o fazem, se arriscam a sofrer punições da Justiça, incluindo o pagamento de multas, e  podem ser obrigados, judicialmente, a  matricular os filhos na escola.
Márcia Pereira da Rocha, da Proeduc (Promotoria de Justiça de Defesa da Educação), explica que a escolarização faz parte da formação da criança e do adolescente. "A posição do Ministério Público é que a criança não pode ser submetida a modelo educacional não permitido no Brasil", defende.

O que diz a Lei

  • Portal EBC
O argumento dos adeptos na luta pela regulamentação da modalidade é de que as famílias brasileiras possam ter liberdade para escolher como querem educar seus filhos. Márcia admite que esta é uma reivindicação justa. "As pessoas têm direito de discutir coisas mais amplas. Nosso Congresso é um bom lugar para apresentar temas como este", diz.
Sabrina Campos tem três filhos e defende o homeschooling – nome que se dá à prática no exterior. Seu filho mais velho tem 11 anos e desde os 8 não frequenta a escola. "Entre 10 meses e 8 anos de idade, Gabriel passou por oito escolas. Aqui no Brasil, no exterior, colégios públicos, com diferentes linhas pedagógicas. Quando a filosofia era interessante, existiam problemas de segurança", argumenta.
Um dos motivos que levou Sabrina a optar pelo ensino domiciliar foi o bullying que o menino sofria. Ela argumenta que nenhuma escola conseguiu dar a assistência necessária para Gabriel, que é superdotado. "As instituições não formam professores para lidar com isso", desabafa.
Um ponto de preocupação dos educadores sobre o ensino doméstico é em relação à socialização da criança. A educadora Maria do Pilar Lacerda, diretora da Fundação SM e ex-secretária de educação básica do MEC, acredita que fora da escola a convivência da criança com outras pessoas da mesma idade fica limitada. "A escola é o lugar mais importante para se conhecer o diferente. A criança que não a frequenta pode crescer com visão reduzida do que é o ser humano", argumenta. A questão, porém, não preocupa os que optam por este tipo de ensino. Sabrina garante que seus filhos se relacionam com outras pessoas em atividades, cursos e no próprio dia-a-dia.
Outra crítica feita por quem defende a prática é o currículo limitado das escolas. Sabrina defende que a criança tem que ver sentido no que está estudando e não "acumular informações  desnecessárias para sua vida". Já Pilar, garante que não há como prever se um conteúdo escolar será útil para o aluno ou não. "Daqui a 30 anos, 80% das profissões serão diferentes das que existem hoje. Mas concordo que o currículo escolar deva ser mais contemporâneo. Do jeito que está, não dialoga com esta geração", pontua.
Gabriel, o filho de Sabrina, coleciona bons resultados. Foi o primeiro apresentador de TV de programa de culinária infantil e o palestrante mais jovem do TED, conferência internacional sobre inovação.  A educação individualizada é uma das vantagens do homeschooling, na opinião do deputado Lincoln Portela (PR/MG), autor de projeto de lei (PL 3179/12) que defende que fique a critério dos pais ou responsáveis pelo aluno decidir se o aprendizado deve ocorrer em casa ou na escola.
No fim do ano passado, a proposta do parlamentar foi aprovada pela Comissão de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados. O projeto aguarda, ainda, análise da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania). Proposta semelhante já  havia sido rejeitada pela CEC um ano antes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário