Olá Amigos(as),visitem minha página no Facebook e confira as Novidades!!!!!

G-SUITE:Veja mais detalhes aqui!!!!!

G Suite




Olá.

Agradecemos a análise do G Suite.

Aqui estão três motivos para testar esse recurso:

  1. Você pode receber e-mails personalizados e muito mais com o Gmail for business.
  2. Ele ajuda os funcionários a cumprirem suas tarefas e colaborarem de forma mais rápida e eficiente.
  3. Milhões de pequenas e grandes empresas já mudaram para o G Suite.

Conheça aqui o G Suite!!!!

O que é o G Suite?

O G Suite é um pacote de produtividade baseado na nuvem que ajuda as equipes a se comunicar, colaborar e realizar tarefas em qualquer lugar e de qualquer dispositivo. Ele é fácil de configurar, usar e gerenciar. Assim, sua empresa pode se concentrar no que realmente importa.

Milhões de empresas em todo o mundo contam com o G Suite para aproveitar recursos como e-mail profissional, armazenamento de arquivos, reuniões por vídeo, agendas on-line, edição de documentos e muito mais.

Assista ao vídeo ou saiba mais aqui.

Veja alguns destaques:

E-mail empresarial para seu domínio

Parecer profissional conta muito e isso significa se comunicar como você@suaempresa.com. Os recursos simples e eficazes do Gmail ajudam você a desenvolver sua marca e realizar ainda mais tarefas.

Acesse em qualquer local ou dispositivo

Verifique seu e-mail, compartilhe arquivos, edite documentos, realize reuniões por vídeo e muito mais, estando no trabalho, em casa ou viajando. Você continua o trabalho de onde parou em um computador, tablet ou smartphone.

Ferramentas de gerenciamento de nível empresarial

As configurações de administrador robustas oferecem controle total sobre usuários, dispositivos, segurança e muito mais. Seus dados estão sempre com você e eles permanecem com você caso queira mudar de solução.

Inicie uma avaliação gratuita

Procurando Diversão??????????

               Procurando Diversão?????????



Então encontrou o melhor local,
e a rede social mais badalada do momento!!!!

Não acredita?????
Então confira você mesmo(a)!!!!!!

Acesse agora mesmo!!!!!!

>>>>> http://www.sccliberal.com.br/Convite.aspx?cvt=496157

Boa diversão e com certeza vão gostar demais!!!!


segunda-feira, 11 de março de 2013

Sob tensão regional, Coreia do Sul e EUA começam manobras militares!

Norte-coreanos suspenderam armistício e ameaçam ataque termonuclear.
Tensão cresceu após Coreia do Norte ter sofrido novas sanções da ONU.

 

As tropas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram nesta segunda-feira (11) as manobras militares anuais, muito criticadas pela Coreia do Norte. O fechado regime de Pyongyang ameaça Seul e Washington com um ataque nuclear, além de ter anunciado o fim do acordo de armistício e a suspensão da linha vermelha de telefone entre as duas Coreias.
Coreia do Sul e Estados Unidos - que têm 28.500 soldados no sul da península - iniciaram manobras militares batizadas de "Key Resolve", parcialmente virtuais, mas que mobilizam milhares de soldados.
Como em todos os anos, Pyongyang condenou os exercícios, que compara a uma invasão do Norte pelo Sul com a ajuda de Washington.
As manobras acontecem depois de uma semana de forte tensão na península: Pyongyang ameaçou denunciar nesta segunda-feira o acordo de armistício que encerrou a guerra da Coreia de 1953, citou a possibilidade de "guerra termonuclear" e advertiu Washington sobre a exposição a um "ataque nuclear preventivo".
Este contexto explosivo acontece após o lançamento pela Coreia do Norte em dezembro de um foguete considerado por Seul e seus aliados como um míssil balístico, seguido de um terceiro teste nuclear em fevereiro e de novas sanções adotadas na sexta-feira pelo Conselho de Segurança da ONU.
Ativistas antiguerra protestam contra os testes militares conjuntos entre EUA e Coreia do Sul, nesta segunda-feira (11), em Seul (Foto: AFP)Ativistas antiguerra protestam contra os testes militares conjuntos entre EUA e Coreia do Sul, nesta segunda-feira (11), em Seul (Foto: AFP)
Após a votação da ONU, o regime norte-coreano anunciou que considerava nulos "todos os acordos de não agressão entre o Norte e o Sul".
O "Rodong Sinmun", o jornal do Partido Comunista norte-coreano, confirmou nesta segunda-feira o "final completo" do acordo de armistício que encerrou a guerra da Coreia em 1953.
"Com o armistício que 'explodiu' (...) ninguém pode prever o que vai acontecer neste território a partir de agora", advertiu o jornal.
O ministério sul-coreano da Unificação - responsável pelas relações entre os dois vizinhos - anunciou que o Norte parece ter cumprido outra de suas ameaças: a suspensão do telefone vermelho entre Pyongyang e Seul para casos de emergência.
A linha, instalada em 1971, foi suspensa em cinco ocasiões pelo Norte, a última delas em 2010.
A ameaça de "ataque termonuclear" foi considerada como retórica por analistas, uma vez que o Norte não tem capacidade militar para atingir os Estados Unidos.
Soldados norte-coreanos disparam durante treinamento em local não divulgado, em imagem disponibilizada pela agência de notícias do país, a KCNA, em Pyongyang. A tensão entre o país, seu vizinho do sul e os EUA tem aumentado nos últimos dias. (Foto: Reuters/KCNA)Soldados norte-coreanos disparam durante treinamento em local não divulgado, em imagem disponibilizada pela agência de notícias do país, a KCNA, em Pyongyang (Foto: Reuters/KCNA)
 

Seul adverte que Coreia do Norte 'desaparecerá' em caso de ataque

 

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul advertiu nesta sexta-feira (8) que a Coreia do Norte provocará sua própria destruição se produzir um ataque nuclear preventivo, em uma resposta às últimas ameaças do regime de Kim Jong-un. "Se a Coreia do Norte atacar a Coreia do Sul com uma arma nuclear, o regime de Kim Jong-un desaparecerá da Terra", afirmou o porta-voz do Ministério, Kim Min-seok.
O representante da Defesa ilustrou que, "embora no passado a bomba atômica tenha sido utilizada duas vezes para pôr fim à Segunda Guerra Mundial, o ataque a uma sociedade livre e democrática, como a República da Coreia, não será perdoado pela humanidade".
A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, também reiterou a intenção de "responder duramente" a futuras provocações da Coreia do Norte e assegurou que o país comunista enfrentará sua "autodestruição" se continuar com suas políticas militaristas.
Uma fonte militar manifestou à agência sul-coreana "Yonhap" que a unidade de artilharia da Coreia do Norte na frente ocidental aumentou seus exercícios desde o início do ano, com a mira voltada para Seul e seus arredores.
Poucas horas antes do comunicado sul-coreano, um general da Coreia do Norte assegurara que seu Exército tem preparados para lançamento mísseis nucleares capazes de alcançar os Estados Unidos, em uma nova ameaça após a resolução emitida pela ONU para punir o teste atômico realizado em 12 de fevereiro.
Pyongyang também anunciou que irá anular na segunda-feira (11) os acordos de não agressão assinados com Seul ao término da Guerra da Coreia (1950-53), em resposta a essa resolução do Conselho de Segurança da ONU, que amplia as sanções já impostas ao regime de Kim Jong-un por provocações anteriores.

Conselho de Segurança adota novas sanções contra Coreia do Norte

 

O Conselho de Segurança da ONU adotou nesta quinta-feira (7) novas sanções contra a Coreia do Norte, em represália ao terceiro teste nuclear conduzido pelo país em fevereiro passado.
As sanções incluem mais restrições financeiras e mais controle no recebimento e envio de cargas que o país está proibido de comercializar pelas restrições anteriores do Conselho de Segurança.
O esboço, proposto por Estados Unidos, Reino Unido, Coreia do Sul e França, foi aprovado por unanimidade pelo conselho de 15 países, após três semanas de negociações entre os EUA e a China, aliada dos norte-coreanos.
As medidas colocam sob vigilância os diplomatas norte-coreanos e engrossam uma lista negra de particulares e empresas submetidas ao congelamento de bens ou à proibição de viajar.

As sanções definem mais especificamente uma série de produtos de luxo que os dignitários do regime comunista não estarão autorizados a adquirir e obriga a inspeções obrigatórias de carregamentos suspeitos de vir ou ter como destino a Coreia do Norte.
As sanções são uma resposta ao teste nuclear feito pelo regime da Coreia do Norte em 12 de fevereiro, e que provocou condenação da comunidade internacional.
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que já foi chanceler da Coreia do Sul, rival de Pyongyang, celebrou a medida, dizendo em comunidado que a resolução "envia uma mensagem inequívoca de que a comunidade internacional não vai tolerar sua busca por armas nucleares".
Mais cedo nesta quinta, a Coreia do Norte ameaçou os Estados Unidos com um "ataque nuclear preventivo", elevando mais uma vez o tom de seu discurso contra o rival.
A embaixadora dos EUA na ONU, Susan Rice, disse que a Coreia do Norte "não vai chegar a lugar nenhum" com ameaças.
"Isso só vai isolar mais o país e seu povo e minar os esforços internacionais para promover a paz e a estabilidade no nordeste asiático", disse.
Rice negociou as sanções com o embaixador da China no conselho, Li Baodong, que disse que a resolução era "um importante passo adiante", mas ressaltando que devem levar a Coreia do Norte a retomar as negociações e tensões.
O embaixador da China na ONU, Li Baodong, disse que Pequim quer ver "a plena implementação" da nova resolução.

Os 15 países membros do Conselho de Segurança manifestaram sua preocupação diante do último teste nuclear norte-coreano realizado em 12 de fevereiro, o terceiro depois dos de 2006 e 2009, e se disseram prontos para tomar "importantes medidas adicionais", não detalhadas, se Pyongyang proceder a um novo teste de bomba atômica ou a um novo lançamento de mísseis
Imagem de 15 de abril de 2012 mostra veículo militar levando o que seria um míssil balístico de alcance intermediário do time Teapodong, de cerca de 20 metros, em parada em Pyongyang, a capital norte-coreana (Foto: AFP)Imagem de 15 de abril de 2012 mostra veículo militar levando o que seria um míssil balístico de alcance intermediário do time Teapodong, de cerca de 20 metros, em parada em Pyongyang, a capital norte-coreana (Foto: AFP)
tópicos:

Nenhum comentário:

Postar um comentário