Olá Amigos(as),visitem minha página no Facebook e confira as Novidades!!!!!

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Jornal faz ranking de faltas cavadas e lesões fingidas Brasil lidera lista, com 17 "lesões" em duas partidas


Neymar se contorce de dor após sofrer falta no início da partida contra o México
A imprensa dos Estados Unidos está se deliciando com a Copa do Mundo, a ponto de fazer reportagens complexas, análises táticas, listas e rankings. Um dos rankings mais curiosos foi produzido pelo Wall Street Journal e combinou a paixão dos norte-americanos por estatísticas com uma das bizarrices do futebol: o hábito de cavar faltas e fingir lesões. E adivinhe quem liderou como o "rei dos mergulhos"...

"Uma das grandes reclamações da esplêndida Copa do Mundo é o tempo gasto com lesões inventadas. Eles gritam, se contorcem, batem com os punhos na grama e pedem a maca. Mas momentos depois, eles sentam, chacoalham a dor, ficam em pé e correm para jogar um pouco mais", critica o diário.

Para mostrar o quanto se gasta tempo com isso, eles fizeram duas contagens incluindo todos os jogos realizados até o fim da segunda rodada: uma do total de faltas cavadas pelos jogadores e a outra do tempo gasto com isso. No total, foram 293 jogadas acabadas assim, com 118 minutos de bola em jogo desperdiçados.

O resultado é que o Brasil lidera na primeira lista, com 17 "lesões" – as aspas são do The Wall Street Journal. E isso levando em conta apenas duas partidas. Como era de se esperar, vide as críticas que leva, Neymar é quem mais se atirou no gramado na seleção brasileira: cinco vezes, levantando-se sempre em menos de 15 segundos após seus gritos de dor.

Chile, com 16, e Honduras, Nigéria e México, com 15, completam os primeiros lugares na arte de se encenar uma falta. Por outro lado, a eliminada Bósnia só o fez em duas oportunidades.

Se for contabilizado o tempo gasto por estas seleções, a coisa é diferente. Honduras lidera com 7min40s desperdiçados de bola rolando. Mesmo com "apenas" dez cenas de cai-cai, a França deixou de atuar por 7min19s. Apesar de estarem no topo da lista anterior, os brasileiros se "recuperam" rapidamente: paralisaram o jogo só por 3min18s na contagem do jornal.

Uma outra curiosidade vai para a "lesão" mais rápida do Mundial, feito de Enner Valencia, do Equador, que em apenas quatro segundos de jogo contra Honduras já estava se contorcendo no chão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário