Olá Amigos(as),visitem minha página no Facebook e confira as Novidades!!!!!

G-SUITE:Veja mais detalhes aqui!!!!!

G Suite




Olá.

Agradecemos a análise do G Suite.

Aqui estão três motivos para testar esse recurso:

  1. Você pode receber e-mails personalizados e muito mais com o Gmail for business.
  2. Ele ajuda os funcionários a cumprirem suas tarefas e colaborarem de forma mais rápida e eficiente.
  3. Milhões de pequenas e grandes empresas já mudaram para o G Suite.

Conheça aqui o G Suite!!!!

O que é o G Suite?

O G Suite é um pacote de produtividade baseado na nuvem que ajuda as equipes a se comunicar, colaborar e realizar tarefas em qualquer lugar e de qualquer dispositivo. Ele é fácil de configurar, usar e gerenciar. Assim, sua empresa pode se concentrar no que realmente importa.

Milhões de empresas em todo o mundo contam com o G Suite para aproveitar recursos como e-mail profissional, armazenamento de arquivos, reuniões por vídeo, agendas on-line, edição de documentos e muito mais.

Assista ao vídeo ou saiba mais aqui.

Veja alguns destaques:

E-mail empresarial para seu domínio

Parecer profissional conta muito e isso significa se comunicar como você@suaempresa.com. Os recursos simples e eficazes do Gmail ajudam você a desenvolver sua marca e realizar ainda mais tarefas.

Acesse em qualquer local ou dispositivo

Verifique seu e-mail, compartilhe arquivos, edite documentos, realize reuniões por vídeo e muito mais, estando no trabalho, em casa ou viajando. Você continua o trabalho de onde parou em um computador, tablet ou smartphone.

Ferramentas de gerenciamento de nível empresarial

As configurações de administrador robustas oferecem controle total sobre usuários, dispositivos, segurança e muito mais. Seus dados estão sempre com você e eles permanecem com você caso queira mudar de solução.

Inicie uma avaliação gratuita

Procurando Diversão??????????

               Procurando Diversão?????????



Então encontrou o melhor local,
e a rede social mais badalada do momento!!!!

Não acredita?????
Então confira você mesmo(a)!!!!!!

Acesse agora mesmo!!!!!!

>>>>> http://www.sccliberal.com.br/Convite.aspx?cvt=496157

Boa diversão e com certeza vão gostar demais!!!!


quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

E-mail Orkut Consumo maior evidencia educação financeira frágil dos brasileiros

Uma das principais mudanças recentes do Brasil foi a entrada de mais de 40 milhões de brasileiros no mercado de consumo, fenômeno que foi responsável pela ampliação da classe média e, para muitos analistas, ajudou o País a se proteger do pessimismo econômico internacional. Só no ano passado, o crescimento acumulado das vendas do varejo foi superior a 8% entre janeiro e novembro, e as vendas no Natal também subiram.Mas, da mesma forma que os níveis educacionais do País não acompanharam a expansão do consumo, os conhecimentos sobre finanças e investimentos deixam a desejar, segundo levantamentos diversos. E o resultado muitas vezes é um cenário de endividamento, inadimplência, prejuízos para a população e impactos na poupança do País.Uma pesquisa divulgada em setembro pela BM&FBovespa aponta que mais da metade dos 2 mil entrevistados diz não sobrar dinheiro no final do mês. E, ainda que praticamente todos estejam familizarizados com a poupança, poucos conhecem outras formas (às vezes mais rentáveis) de investimento, como Tesouro Direto (5,8%) e renda fixa (25%)."Existe um distanciamento da vida cotidiana em relação à vida financeira, e não é só no Brasil", opina à BBC Brasil Fabio Moraes, diretor de educação financeira da Febraban (federação nacional dos bancos). "Tivemos muitos anos de instabilidade monetária. Quando ela veio, encontrou o brasileiro com um comportamento muito imediatista."Já para William Eid Jr, coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV-SP, "o problema é que se cultiva o consumo exacerbado desde cedo. Os brasileiros devem mais do que deveriam e não olham para o futuro".Inadimplência
Em 2012, a oferta de crédito cresceu e, mesmo com a redução na taxa básica de juros, a inadimplência dos consumidores subiu 15% em comparação com o ano anterior, aponta medição da Serasa Experian. Essa inadimplência poderia ter sido maior se não fosse o desemprego baixo e a expansão da renda.
Ainda segundo a pesquisa da BM&FBovespa, entre os entrevistados que tomaram empréstimos, cerca de um terço paga taxas de juros de no mínimo 5% ao mês; e um quarto deles sequer sabe o quanto gasta em juros.Em termos práticos, uma pessoa que tomou um empréstimo de R$ 1 mil a juros mensais de 5% deverá cerca de R$ 5,7 mil após três anos, por exemplo. "A inadimplência no País é uma bola de neve à velocidade da luz. Em dois ou três anos, muitas dívidas ficam impagáveis", opina William Eid Jr.Aulas nas escolas
O cenário criou uma demanda para cursos e dicas de educação financeira - o que percebível pela crescente quantidade de livros, colunas de jornais, boletins de rádio e outros meios dedicados a dar dicas de finanças pessoais.
Na BM&FBovespa, os cursos gratuitos recebem de 100 a 300 pessoas por sessão - "tanto gente da periferia como dos Jardins (bairro nobre paulistano)", diz o professor José Alberto Netto Filho.Para o público infanto-juvenil, está em andamento um projeto de educação financeira nas escolas dos ensinos fundamental e médio, tocado por um conselho formado por representantes de instituições públicas e privadas.Segundo Sílvia Morais, coordenadora da iniciativa, o projeto-piloto em 2011 incluiu noções educação financeira em aulas de diversas disciplinas do ensino médio, abrangendo 14 mil alunos e professores em mais de 400 escolas. A meta para os próximos dois anos é levar o projeto para mil escolas e 3 mil professores, diz ela.Moraes afirma que está em planos um projeto semelhante para o ensino fundamental, além do mapeamento de iniciativas de educação financeira que já sejam adotadas nas escolas do País. Um estudo do Banco Mundial sobre os egressos do projeto-piloto no ensino médio notou que os alunos ficaram um pouco mais propensos a poupar e a administrar suas despesas. "O aluno começa a perceber a interdependência entre ele e a economia", opina Sílvia Morais. "É um desafio mostrar-lhe que ele não é um indivíduo isolado, e suas ações têm um impacto socioeconômico." BBC Brasil
BBC Brasil
Todos os direitos de reprodução e representação reservados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário